Banca de DEFESA: LÍVIA SERRETTI AZZI FÚCCIO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LÍVIA SERRETTI AZZI FÚCCIO
DATA: 19/06/2015
HORA: 16:00
LOCAL: PRPPG
TÍTULO:

Desenvolvimento e Políticas Públicas no Contexto da Educação Patrimonial: Entre Riscos e Rabiscos


PALAVRAS-CHAVES:

Desenvolvimento; Políticas Públicas; Educação Patrimonial


PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:
Esta dissertação teve como objetivo analisar o enredo vivenciado pelos educadores e gestores no desenvolvimento doprojeto de educação patrimonial no município, tendo como recorte investigar as possibilidades narrativas e redes critivas do uso da literaturanas ações de sensibilização do projeto, se isto se deu de modo efetivo ou não para as
    mudanças de hábitos e ações, bem como compreender o    que havia de significativo nas práticas culturais dos alunos, em especial, nos riscos e rabiscos da escola de ensino médio.
Richard Rorty e Jorge Larrosa contribuem com questões centrais para a elaboração da pesquisa. Os dois autores confrontam o credo dogmático do saber que toma o mundo como um lugar a ser representado e o ser enquanto aquele que é. Estão em sintonia também sobre as possibilidades da abertura literária e poética na redescrição e(trans)formação do sujeito por meio da imaginação. Contudo, a
as defesas que fazem seguem caminhos diferentes, o primeiro
tem um cuidado maior com os padrões de formalização e socialização da educação, enquanto o segundo abarca figuras do porvire da autocriação. O procedimento teórico-metodológico se deu tensionado em consolidar três movimentos interligados e complementares: (I) reavivar as lembranças do que se passou, enquanto uma reflexão da experiência, (II)
verificar as possibilidades do uso das narrativas nas práticas pedagógicas como elemento de redescrição e
(trans)formação, (III) direcionar estratégias de conversação
para as entrevistas com os educadores e gestores, grupos focais com os alunos, além do diálogo com os autores nas leituras e escritos, contemplando a dimensão coletiva desse
acontecimento. Buscou-se avaliar os pontos e os contrapontos da educação patrimonial, ao problematizar as produções e
mediações do eu nas ações do município. As dimensões discursivas das práticas educacionais, culturais e sociais foram analisadas na medida em que poderiam servir de
ferramentas para novas perspectivas de construção e novas formas de convivência e de comportamento frente à violência,
enquanto enclausuramento do gesto e da palavra.
Porfim, caminhou-se para uma defesa do diálogo,
tanto no que diz respeito à avaliação das práticas educacionais
quanto às possibilidades narrativas e redescritivas de se elaborar um sentido para o que se passou.

MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1682680 - CARLOS ALBERTO MAXIMO PIMENTA
Externo à Instituição - MARCOS CARVALHO LOPES - ANA
Presidente - 1217351 - ROGERIO RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 10/06/2015 08:54
SIGAA | DTI - Diretoria de Tecnologia da Informação - (35) 3629-1080 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa10.unifei.edu.br.sigaa10